terça-feira, 23 de dezembro de 2014

O valor do natal


Em uma bela noite de inverno, no Alasca, uma família rica vivia feliz em sua casa requintada, enorme, de vários cômodos, em um bairro mais isolado da cidade. Lá viviam Patrícia e Lisa, duas irmãs bem diferentes uma da outra. Patrícia era tímida, solidária e não gostava muito do estilo de vida de sua família. Trabalhava como médica em um hospital e realmente amava ajudar os outros. Já Lisa era arrogante, popular e negligente com seus estudos. Patrícia fazia de tudo para ajudar sua irmã a mudar seu jeito, mas não dava certo. Porém, ela teria muito a aprender...
Certa noite, Patrícia estava voltando do hospital a pé. Estava com um casaco de lã bem grosso, mas mesmo assim tremia de frio. Estava nevando, e faltavam dois dias para o natal. Ela adorava o natal, mas não gostava de comemorá-lo com sua família, pois eles apenas trocavam presentes caros e iam dormir. Realmente, era chato.
De repente, ela tropeçou em um monte de neve e viu uma pequena garotinha, encolhida, debaixo de um teto de um restaurante fechado. Ao seu lado tinha outra, maior. Ela parecia faminta e estava em péssimo estado. Patrícia se dirigiu até ela.
- Oi. Onde estão seus pais? – perguntou.
Elas não responderam nada. Então, Patrícia tirou seu casaco e colocou sobre as duas.
- Venham comigo. – disse, levando-as.
Elas entraram em uma lancheria, e Patrícia pagou-lhes um sanduíche cada. Elas devoraram sem dizer uma palavra, mas ela pode ver a alegria em seus olhos. Sorriu.
- Obrigada. – a mais velha murmurou.
- Vou leva-las para casa. – disse.
A mais velha, Cristina, deu o endereço e foram. Era um povoado pobre, mas que as pessoas eram simpáticas.
- Seu casaco. – Cristina disse, já retirando.
- Não. Podem ficar. – Patrícia falou.
Seus olhos brilharam e ela abriu um pequeno sorriso.  Patrícia deu uma volta por ali, pensando em sua vida e comparando a elas. Naquele natal, enquanto sua casa estaria farta de comida, eles estariam sem nenhuma migalha de pão. Enquanto todos estariam ganhando um monte de presentes, eles estariam apenas encarando a neve caindo pela janela. Ela sentiu um aperto no coração, e uma vontade repentina de mudar isso. Então, voltou para a pequena casa e bateu na porta.
- Sim? – uma senhora atendeu. Tinha uma aparência cansada.
- Quero falar com Cristina e sua irmã, por favor. – pediu. A senhora chamou-as.
- Cristina... O que você gostaria de ganhar no natal? – Patrícia perguntou.
- Eu nunca ganhei nada... Nunca pensei nisso... – ela disse.
- O papai Noel nunca vem. – a mais nova completou.
Patrícia contraiu os lábios.
- Então... Pensem e me digam. Me encontrem amanhã, na mesma lancheria, na hora do almoço. Eu sempre almoço lá. Ok? – disse.
- Ok. – Cristina disse, sorrindo.
Então, elas cumpriram o combinado. No dia seguinte, se encontraram na mesma lancheria. Patrícia pagou-lhes o almoço e elas conversaram.
- Então... Já decidiram? – perguntou.
Cristina e Charli se entreolharam e balançaram a cabeça.
- Venham comigo. – Patrícia disse.
Elas foram até uma loja de brinquedos. Se fosse possível medir a felicidade das duas, diria que estavam no máximo. Ficaram uma meia hora ali, olhando encantadas para a enorme variedade de brinquedos.
- Eu quero essa boneca. – Charli falou.
- E eu essa casinha. – Cristina disse.
- Tudo bem. – Patrícia sorriu. – Mas só amanhã, que é o natal, ok?
- Ok... Espera, nós vamos ver o papai Noel? – Cristina perguntou.
- Hum... Talvez. – disse, sorrindo.
Quando chegou em casa, Patrícia anunciou que passaria o natal com seus amigos.
- Duvido que eles tem tudo o que nós temos. Olha essas comidas... – Lisa disse.
- Isso importa? – Patrícia retrucou.
- Aonde você vai? – ela perguntou.
Patrícia respirou fundo. Sua madrasta lhe olhou feio.
- Eu vou fazer uma coisa que vocês nunca fizeram, isso eu garanto. Enquanto vocês ficam aí, se empanturrando de toda essa comida que a metade vai fora depois, há pessoas passando fome. Enquanto vocês ficam gastando dinheiro com coisas fúteis, que já tem ou que não precisam, há pessoas que precisam dessas coisas. Há pessoas que nunca ganham nada, que nunca tiveram isso, e que com certeza dariam valor se tivessem. Quando vocês vão aprender que dinheiro não é tudo? Eu amo vocês, mas precisam aprender isso. Pensem no que eu disse. – falou, se levantando. – Ainda dá tempo de mudar.
Ninguém respondeu, e ela saiu, pegando a sacola com os presentes e mais uma com roupa de papai Noel. Pegou o carro e se dirigiu até a casa das irmãs.
- Oi. – a senhora cumprimentou, com os olhos cheios de lágrimas.
- Oi... Você... Está bem? – perguntou.
- Estou. O que deseja?
- Ver Cristina e Charli. – disse.
- Charli está a caminho do hospital. – a senhora disse, e suas lágrimas caíram de vez.
- O que aconteceu?
- Começou a passar mal... Seu coração... Ela... – falou, mas não conseguiu terminar a frase. – Tive que ficar para cuidar do bebê. – ela segurava um bebê muito fofinho. – Meu marido foi com ela.
- Elas foram no hospital do centro?
- Sim.
Bem na hora, seu celular tocou. Era o hospital.
Patrícia correu. Acelerou o carro e chegou lá rapidamente. Incrivelmente, chegou junto com a ambulância que trazia Charli, Cristina e seu pai.
- Cristina. – ela disse, e a outra correu para abraça-la. – vai ficar tudo bem.
Então, ela curou-a. Descobriu que Charli tinha asma, e teve um ataque realmente forte. Mas já estava melhor.
- Seria seguro se ela passasse a noite aqui no hospital. – disse.
- Que ótimo natal. – Cristina desabou a chorar, e nada podia lhe consolar.
Aí, Patrícia pensou... Tinha deixado os presentes e a fantasia no carro... Ainda havia tempo... Então, chamou uma enfermeira para tomar conta de Charli enquanto ia pegar as coisas. Se vestiu o mais rápido que pode e voltou rapidamente.
Toc Toc. A enfermeira abriu e saiu, deixando-a sozinha com Charli, Cristina e seu pai.
- Papai Noel?- perguntou Cristina.
- Sim, querida. Ho Ho Ho. – falou, sorrindo. – E eu trouxe presentes!
Elas ficaram loucas. Patrícia obrigou-lhes a fazer silêncio, pois estavam no hospital, e entregou os presentes.
- Era exatamente o que eu queria! – exclamaram. Havia lágrimas de felicidade em seus olhos.
Patrícia (ou papai Noel) conversou com elas, até que a enfermeira voltou.
- Por favor, venha aqui. – chamou. – Eu comprei alguns chocolates... Você poderia passar nos quartos das crianças e distribuir. O que acha?
- Ótima ideia. – falou, sorrindo.

Então, ela fez. No dia seguinte, apareceu em vários jornais e até mesmo na TV. Sua família ficou orgulhosa dela, e começaram a pensar mais sobre valores. O que será que valia mais? O dinheiro, o amor? A solidariedade? Patrícia ajudou a responder a essa pergunta com esses simples atos de carinho e ajuda. Há coisas que o dinheiro não compra... E, com certeza, o natal tem muito mais valor quando existe amor. 


Feliz natal para todos vocês!!! :)

Posted by: Lau

domingo, 14 de dezembro de 2014

Liberdade


Ás vezes, nos livramos de coisas que nos faziam mal. Coisas que, para nós, era necessário, e arriscávamos nossos sentimentos por isso. E, quando isso acaba, ficamos aliviados. Nos sentimos livres. Como dizem, é melhor sozinho que mal acompanhado. Só que, pode acontecer de nos lembrarmos dos bons momentos, que parecem tão distantes... E sentir falta. Sentimos que é como um laço rompido que não se conserta mais, depois de tentar tantas vezes. Mas aí lembramos dos momentos ruins, do sofrimento... E a vontade de voltar no tempo desaparece. Porque nós temos a mania de achar que tudo é nosso erro, nossa culpa, simplesmente porque não enxergamos os erros dos outros ou acobertamos com os nossos. É, somos assim mesmo.
Porém, chega uma hora que percebemos. Que a vida só melhorou depois que nos livramos daquela coisa, ou daquelas pessoas que, involuntariamente (ou não) nos faziam mal. Pode ser difícil se acostumar com esse rompimento, essa ideia de que isso não existe mais. Mas, o mundo é enorme. Há várias experiências e pessoas novas para conhecer... E ficar insistindo em algo que não dá certo é como correr sem sair do lugar, como lutar para voltar ao passado, ao invés de seguir em frente. Porém, o conselho é não olhar para trás. As suas atitudes do passado fizeram você chegar até aqui... Mas as suas escolhas do presente podem fazer você ir mais longe. 


Posted by: Lau

Se permita!


Hoje eu estava muuito inspirada e tentei fazer um texto um pouco diferente. Não sei se deu muito certo e não sei se vocês vão gostar, mas eu gostei. Vejam!

Hoje eu me permiti. Me permiti ser feliz. Subir uma rua a mais da minha caminhada só para ver o pôr do sol lá do alto. Que vista linda. Ouvir minha música preferida no último volume. Ótima sensação. 
Me permiti amar e ser amada, e parar de sofrer por isso. Sair para jantar com os amigos, dar altas risadas e comer bastante, sem se preocupar com o horário. 
Me permiti tomar o maior milk shake, sem receio e nem culpa. 
Afinal, acho que descobri um segredo para a felicidade: se permitir. Ninguém é de ferro, e merecemos algo diferente, especial. Quando você começa a se permitir, verá coisas que não via antes. Será bem melhor. 
Permita que a felicidade entre na sua vida, e que a tristeza saia. Tudo começará a conspirar ao seu favor se permitir as coisas certas.
Espero que tenha me entendido e vale o conselho. Coloque em prática e tudo, absolutamente tudo vai mudar. Para melhor. 

Posted by: Lau

Conto: A vida de Bella


(capa não ficou tudo isso pq não sou tão boa em edição de fotos)


Oi gente! Então, esses dias eu terminei o último livro de O estilo da amizade. Uma das personagens tem um final diferente e eu resolvi fazer um conto para mostrar como seria a vida dela depois desse final. Até agora fiz um prólogo, vejam:


"Tudo começou num baile de primavera. Tive a oportunidade de mostrar meu maior talento: cantar. Foi minha primeira apresentação em público, fiquei muito nervosa, porque a produtora estava lá para me ver. E foi assim que a minha vida mudou.
Eles me deram a oportunidade de estudar música em Hollywood, um curso de um semestre. Se eu fosse bem, conseguiria um contrato com a gravadora. Aceitei essa proposta, e aqui estou, no avião, esperando pisar na terra das estrelas. Será que eu serei uma?"

Gostaram? Em breve posto o conto aqui. :)

Posted by: Lau

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Leia o primeiro capítulo de "O estilo da amizade 2: Batalhando por um sonho"

   
(Não é a capa oficial, apenas uma montagem)

Oi gente! Hoje trouxe o primeiro capítulo de "O estilo da amizade 2: Batalhando por um sonho". Ainda vou trazer várias coisas novas aqui para o blog nesse mês, além de algumas surpresas, já que novembro é muito especial para mim (um ano de lançamento de O estilo da amizade). Mas, por enquanto, leiam: 

Capítulo 1: Aprendendo os passos
            O despertador tocou ás sete e meia. Lorena levantou-se num pulo, estava muito animada. Aquela manhã não seria uma manhã como as outras: ela e suas outras melhores amigas, Charlote, Lindsay, Bella e Kate iriam se inscrever em uma aula de dança. Lorena simplesmente amava dançar. Todas amavam, para falar a verdade. Kate não levava muito jeito, mas mesmo assim gostava. Bella adorava uma dança bem agitada, já Lindsay preferia músicas mais calmas. Charlote ainda não descobriu seu estilo musical, mas achava que era ótima com músicas clássicas. Lorena amava todos os tipos de música e de dança, era boa em todos os estilos.
- Filha, venha tomar café! – A mãe de Lorena chamou-a da cozinha. – Hoje vamos fazer sua inscrição para a aula de dança. – Ela lembrou.
- Já vou! Eu não esqueci, não.  – Respondeu.
            Enquanto escolhia o que vestir, Lorena ficou imaginando como seria todas suas amigas dançando e se apresentando em todos os palcos. Seria um sonho realizado para ela, que sempre quis ter um grupo de dança de suas melhores amigas.
- Lorena, rápido! Já são oito horas, eu preciso ir para o trabalho! – A mãe gritou para a filha, que levou um susto.
- Estou pronta! Ahn... Quase pronta.
            Lorena nem tinha vestido sua roupa ainda. Não tinha arrumado sua cama, seu cabelo estava bagunçado e ainda estava de pijama. Rapidamente, tirou sua calça jeans preferida do armário, uma blusa preta de babadinhos e um casaquinho. Calçou sua sapatilha e desceu as escadas na velocidade da luz.
- Estou pronta! – Exclamou, orgulhosa por ter se arrumado em menos de um minuto.
           A mãe a encarou.
- O que foi?
- O que você fez no cabelo?
           De repente, lembrou que não tinha penteado o cabelo. Nem lavado o rosto, e muito menos escovado os dentes.
- Três minutos! – Sua mãe avisou, enquanto Lorena subia as escadas novamente na velocidade da luz.
            Em menos de dois minutos, Lorena tinha voltado.
- Pronto, vamos!
- Uau. Está rápida hoje, hein. Parece que as aulas de dança já estão fazendo efeito!
- Não. Só estou rápida porque... – Lorena hesitou. Porque estava com tanta pressa naquela manhã? Ah, claro, pela aula de dança. Sua mãe estava certa. – É, é isso mesmo.
            Quando chegou no salão de dança, uma mulher recepcionou-as.
- Olá. Sou Amanda. – Ela se apresentou, dando um simpático sorriso. – Sou a professora de dança. Vocês irão se inscrever?
            A mãe de Lorena apontou para ela, que fez um sinal de sim com a cabeça.
- Ótimo. Podem passar por aqui.
  Quando chegaram ao balcão das inscrições, Lorena pode ver quanta gente estava lá.                          Conseguiu notar a presença de suas melhores amigas também. Depois de preencher a ficha, foi correndo em Lindsay, Charlote, Bella e Kate.
- Oi, meninas! 
- Oi, Lore! – Bella respondeu, animada.
- Já fizeram as inscrições?
- Sim. Estávamos só esperando você. Se atrasou hoje, né? – Lindsay disse.
- Aham, me desculpem. Estava muito animada, e quando vi, o tempo estava passando. – Lorena se desculpou.
- Não tem problema. – Bella sorriu. – Eu também estava assim. Nem tomei café ainda!
- Nem eu! – Charlote disse, passando a mão na barriga.
- Estou faminta. Comi só um biscoitinho. – Kate falou, parecendo com sono.
- Acho que sou a única não atrasada aqui, né? – Lindsay orgulhou-se, brincando.
- Hahaha, ei, o que acham de lanchar na cafeteria ali da esquina? – Lorena convidou.
- Por mim, tudo bem. Só tenho que ver com minha mãe. – Charlote disse, direcionando-se até sua mãe.
           Depois, todas foram na cafeteria fazer um lanche, pois estavam com muita fome. Lá, se divertiram muito conversando e trocando ideias. E, é claro que o assunto foi só a aula de dança.
- Esse croassant está ótimo! – Lorena disse. – Ou eu que estou com muita fome.
- Ei, vocês acham que a Demi e o grupinho dela gostam de dançar? – Kate perguntou.
- Sei lá. – responderam. – Espero que não. Já chega aturá-las na escola, né?
- É. – concordou.
             Bem naquela hora, um garoto esbarrou na cadeira de Lorena.
- Ops, desculpe. – ele pediu.
                Lorena se virou e o encarou. Parecia familiar... Ele era alto, tinha cabelos castanhos, olhos cor de mel e pele clara. Era muito bonito.
- Sem problema. – disse.
- Quem é ele? – Bella perguntou.
- Meu novo vizinho, não lembro direito o nome dele... Acho que é Till... Não, Mill...
- Mill? – perguntou Kate, rindo.
- Ah, sei lá. Algo com “ill”. – Lore riu.
- Hum... Ele é bonitinho. – Bella falou, dando um olhar malicioso para a amiga. – E é seu vizinho...
- Bella! – Lorena riu. – Bom, falei para minha mãe que não iria demorar muito, então, vou indo. Tchau, até mais!
- Ok, tchau!
         Lorena saiu da lanchonete e chegou em casa sentindo-se muito feliz por motivos simples: estava finalmente de férias, sem nenhum problema para se preocupar e estava com a sensação de que aquelas férias iriam ser agitadas e muito legal – estava certa.
...     
            Eram três horas. Todas as garotas haviam combinado de ir para a casa de Lindsay, para irem juntas para a primeira aula. Lorena foi a primeira a chegar.
- Oi, Lore!
- Oi! – Respondeu ofegando. – Vim correndo. Minha mãe está no trabalho, não pode me trazer, daí tive que vir caminhando.
- Uau, mas falta uma hora ainda para a aula. As outras nem chegaram. Entre!
           A casa era muito grande. Lorena não estava muito acostumada, pois há uns meses atrás Lindsay havia se mudado.
- Então... O que você acha desse tênis? – Lindsay disse, mostrando um tênis rosa com branco no estilo esportivo.
- É lindo! Estou em dúvida entre esses dois... – Lorena mostrou dois pares de tênis, um lilás com preto e o outro azul com rosa claro.
- O lilás está melhor, combina mais com a sua roupa.
           Depois de calçarem os tênis e preparar lanches e água para levar, a campainha tocou.
- Até que enfim chegaram! – Lindsay exclamou, fazendo um gesto para as amigas entrarem.
- Desculpem o atraso. Meu pai estava numa reunião, e minha mãe não pode me trazer, daí tive que vir com a Charlote. – Kate explicou.
- Bem... Eu demorei muito tentando achar a blusa que eu queria. Quando vi, já era quase hora de ir. – Bella riu. – Melhor andarmos, temos só quinze minutos!
           Em questão de segundos, todas estavam prontas, já entrando no carro da mãe de Lindsay, que estava dando carona para as garotas. Lorena estava muito ansiosa, queria logo exibir sua habilidade com dança e surpreender todos. Porém, achava que era a única que estava tensa, quando Kate comentou:
- Estou meio nervosa. Faz tempo que não danço...  Não sei se vou me sair muito bem.
- Vai sim, eu sei. – Charlote confortou a amiga. – Também não sou muito boa nisso, estou mesmo só para ver como me saio e para não ficar sem fazer nada nessas férias.
            A mãe de Lindsay estacionou o carro. Lorena sentiu um frio na barriga, enquanto as outras pareciam estar muito tranquilas. Quando entraram no salão de dança, a professora estava esperando todos os alunos sentarem em um círculo para explicar o ritmo musical da aula.
- Bem, acho que já veio todo mundo... – A professora Amanda falou. – Então, o ritmo que vamos trabalhar hoje é Hip Hop. Achei que fosse um tema ótimo para iniciar, porque não é tão cansativo, e acho que a maioria gosta. Não?
          Todos concordaram com a cabeça. Bella estava sorrindo de orelha a orelha, pois adorava Hip Hop.
- Vamos começar então! – Ela continuou, fazendo um sinal para todos ficarem de pé. – Primeiro, irei mostrar uns passos. Depois, coloco a música. Vamos lá!
           Lorena prestava a maior atenção na aula, tentando fazer exatamente igual a professora. Espiou como suas amigas estavam se saindo: ótimas. Ela não sabia que Bella era tão boa no Hip Hop!
- Todos já aprenderam? Agora façam como eu, no ritmo da música! – Amanda ordenou, com muita empolgação.
               Quando a música começou a tocar, Bella se empolgou: era sua música preferida!
- Eu amo essa música! – Exclamou, após receber um sorriso da professora.
              Lindsay e Charlote estavam meio perdidas, mas logo pegaram o ritmo. Lorena ás vezes improvisava e se confundia um pouco, assim como Kate. Com toda a certeza, o destaque da aula foi Bella.
- Pessoal, agora vamos fazer uma pausa para um lanchinho e para beber água. Espero que todos tenham trazido bastante líquido! – Amanda anunciou, desligando a música.
             Lorena devorava um sanduíche de peito de peru, Lindsay comia uma maçã, Charlote optou por um biscoito integral, Kate e Bella estavam dividindo uma enorme barra de chocolate. Depois, todas tomaram a garrafa inteira de água.
- Nossa, eu estou muito cansada! – Charlote disse, ofegando.
- Idem! – Kate concordou, enquanto colocava o último quadrado de chocolate na boca.
- Chocolate? – Lindsay olhou com desgosto.
- Sim, dá energia! – Ela respondeu no seu tom de gênio.
- Engorda, isso sim. – Lorena concordou. – Prefiro meu sanduba integral feito pela minha mãe, é muito bom!
           Interrompendo a conversa, a professora se aproximou do círculo das  garotas.
- Então, meninas, gostaram da aula de hoje?
- Amamos! – Responderam todas juntas.
- Haha, também gostei.  Bella, você mandou muito bem hoje. – Ela elogiou, olhando para a garota.
- Sério? Obrigada! – Bella respondeu, reluzente.
- Aliás, todas vocês foram ótimas. Adorei o empenho de todas. – Amanda sorriu, passando os olhos pelo grupinho.
          Todas sorriram para agradecer. Depois, a aula continuou, e dessa vez, todos se soltaram mais. Quando viram, já tinham montado uma coreografia!
- Ei, e se a gente montasse um grupo de dança? – Lorena sugeriu após a última música ter tocado.
- Como assim? – Bella perguntou interessada.
- Um grupo de dança, onde a gente se apresenta nos locais que nos oferecerem, precisamos de coreografias e tudo mais. E, claro, um nome para o grupo! – Ela explicou, com os olhos brilhando. Ter um grupo só dela e de suas melhores amigas, para se apresentar em todos os lugares e eventos da cidade era seu maior sonho.
- Ahn... Mas não somos profissionais. Não temos coreografia, música, nada. E não tem nenhum evento breve na cidade. Ninguém iria querer chamar a gente. – Uma Charlote realista interrompeu o sonho de Lorena.
- Você tem razão. Eu morreria de vergonha de fazer uma coisa dessas! – Kate reclamou.
         Houve um silêncio entre o grupo. O que as suas amigas haviam dito certamente teria machucado Lorena. Ela só estava dando uma sugestão, não era nada certo.
- Poxa, eu só sugeri. Se não quiserem, tudo bem. – Ela disse, decepcionada.
          Ao notar a tristeza da amiga, Bella e Lindsay se olharam, e disseram:
- Estamos com você.
- Sério? – Lorena levantou o olhar, com esperanças novamente.
- Aham. – Bella concordou, olhando diretamente para Kate e Charlote, que pareciam constrangidas.
- Ok então, estou junto, se é assim. – Kate disse, um pouco convencida.
- Tudo bem. – Charlote disse após um suspiro.
- Não estou obrigando vocês a nada. Se não quiserem, não precisa. Não vai ser agora mesmo, como a Charlote disse, não somos profissionais. Temos que treinar muito, e pedir para a professora Amanda nos ajudar. Aí, na primeira apresentação de todos os alunos, nós podemos nos destacar, e depois, fazer uma apresentação só de nós cinco. Mas claro que isso vai demorar, e vai exigir muita determinação de todas nós. Estão dentro mesmo? – Lorena disse. Não sabia como conseguiu falar aquilo, mas tudo bem.
- Estamos! – Todas responderam, mas não no mesmo tempo. Charlote demorou um pouco, mas topou.
        Lorena abriu um enorme sorriso.
- Melhor irmos. Já terminou a aula, está ficando tarde. – Lindsay lembrou, olhando no relógio.
- Vamos! Ei, querem dormir lá em casa hoje? – Bella ofereceu. – Faz tempo que não fazemos uma festa do pijama, e estamos precisando mesmo!
- Ótimo! – Kate disse. – Vou ver com minha mãe.
- Então, vamos todas para casa, tomamos banho, e ás 19 horas nos encontramos na casa da Bella? – Charlote planejou.
- Isso! – Lorena exclamou. – Até mais!
- Até! – Responderam em coro.
        Exatamente às 19 horas, todas estavam na casa de Bella. Começaram a diversão se aventurando na cozinha, fazendo pizza. 
- Vamos começar fazendo a massa! – Bella anunciou, pegando a farinha.
           Virou o caos. Era farinha para tudo o que é lado, molho de tomate, e Lindsay conseguiu derrubar ervilhas por tudo.
- Lindsay, as ervilhas são para colocar na pizza, sabe... – Kate falou, zombando.
- Caiu! – ela disse, rindo. – Desculpa.
- Meu Deus, Lindsay! Vamos limpar tudo isso, antes que minha mãe chegue! – Bella falou, pegando panos e vassouras.
            Em quinze minutos a cozinha estava brilhando. Elas se divertiram tanto limpando que esqueceram da própria pizza. Se não fosse Lorena lembrar, teria queimado.
- Huuum, ficou uma delícia! – Kate elogiou, quando finalmente sentaram para comer. – Palmas para nós!
            Todas aplaudiram e riram.  
- Nem ficou tão boa assim. – Lorena disse, em tom de suspense. – Ficou ótima! A melhor pizza de todos os tempos!
- Não exagera, Lore. Eu faço uma muito melhor! – Charlote orgulhou-se.
- Mentira, você não sabe nem fritar um ovo! – Kate riu, zombando da amiga que era o terror na cozinha. 
- Eu sei, eu sei. Estou brincando. – Ela respondeu baixinho.
          Depois da deliciosa janta feita por elas mesmas, foram dançar. Tocaram os seus CDs preferidos, de todos os ritmos: pop, rock, anos 80, hip hop, clássico, etc.
- Estou exausta!  - Lorena anunciou, jogando-se no seu saco de dormir.
- Eu também. – Kate falou, já quase dormindo sentada.
- Melhor irmos dormir... – Charlote disse, apontando para Bella, que já estava roncando.
- É, parece que alguém aqui sim cansou bastante! – Lindsay riu da amiga. – Boa noite!
- Boa noite. – Responderam juntas, exceto Bella, que já estava em sono profundo.
          A festa do pijama havia sido perfeita. Lorena levantou-se devagar, para olhar na janela. Simplesmente amava a vista que tinha daquela janelinha do quarto da sua amiga, porque era bem isolada da cidade, dava para ver praticamente tudo. O céu estrelado estava perfeito. A Lua reluzia seu brilho num laguinho distante, onde era possível ver só uma parte. A cidade estava silenciosa, pois já era tarde e a maioria estava dormindo. Os pensamentos e momentos de inspiração de Lorena acabaram com uma voz.
- Eu também adoro ver por essa janela. – Charlote disse, como se estivesse lendo os pensamentos da amiga.
- Pensei que estivesse dormindo. Fiz barulho? – Ela perguntou, preocupada.
- Não, imagina. Vim aqui para te pedir desculpas.
- Pelo o que?
- Por eu ter sido tão estraga prazeres hoje. Desculpe, não foi minha intenção. – Charlote disse, baixando o olhar.
- Você só foi realista, eu que estava sonhando alto. Não se preocupe, você sempre será minha amiga. – Lorena confortou, abrindo um pequeno sorriso.
- Valeu. É que eu estava com medo, sou a que dança pior de todas nós.
- A pior? Não mesmo. Se estamos fazendo aula de dança, é porque queremos aprimorar nossas habilidades. Não se sinta assim, você é ótima. É normal errar na primeira aula, ninguém acerta sempre.
- É... Você tem razão. Ah, e agora eu sou a favor do nosso grupo de dança. Que tal irmos amanhã falar com a professora Amanda? Ela pode nos ajudar a escolher uma música legal, e formar uma coreografia. Daí, podemos fazer nossa primeira apresentação por conta própria, sobre coordenação da professora. O que acha? – Charlote disse.
- Isso aí!  – Lorena disse, um tanto alto demais. – Ops... – Tapou a boca rapidamente, quando viu que Kate estava se mexendo, mas não se levantou. –Melhor irmos para cama agora. Vou tentar ter mais ideias.
- É mesmo. Boa noite – Charlote sussurrou, deitando-se em seu saco de dormir.
- Boa noite. – Respondeu, já quase pegando no sono.
         E assim terminou o dia. Lorena sonhou que havia montado o grupo de dança, uma coreografia, e que fizeram muito sucesso. Ela queria muito tornar aquilo real, e se dependesse dela e de sua determinação, seria realidade.

 Para ver mais informações, clique aqui. :)


Posted by: Lau

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Superar



Hoje sinto uma felicidade enorme. Porque? Finalmente me livrei do que me faz mal. Superei o que andava me machucando há tempos. Não ligo mais para as coisas fúteis e parei de me colocar para baixo. 
Não me comparo mais com os outros, não importa se são melhores que eu ou não. Com certeza, tenho qualidades que valem por isso. 
Agora, olho no espelho e gosto do que vejo, acho que estou começando a me aceitar do jeito que sou. Demorou, mas consegui. 
Um dia isso vai acontecer com todo mundo. O dia em que você vai simplesmente não ligar mais tanto para os outros e pensar mais em si mesma (não sendo egoísta, claro). Vai gostar do que vê no espelho, e vai sorrir. 
Portanto, porque não deixar isso acontecer agora? Só depende de você; Orgulhe-se das suas qualidades e use elas ao seu favor. Admira sua beleza, se aceite do jeito que é e diga para si mesmo que nunca vai deixar ninguém te colocar para baixo. 
Assim, terá uma satisfação enorme e um dos melhores sentimentos do mundo: a felicidade. 

Posted by: Lau

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

A arte do amor





Era uma vez, uma menina chamada Catarina Williams. Ela sempre levou uma vida triste, com poucos amigos, humilde e com uma autoestima muito baixa.
Certo dia, ela encontrou seu talento: desenhar. Fazia pinturas e desenhos incríveis, que deixava todos os seus colegas de queixo caído. Aí, Catarina começou a passar horas extras na sala de artes de sua escola. Lá, era seu refúgio, sua inspiração e sua motivação.
Ela sempre deixava seus desenhos um cantinho escondido, onde assinava apenas de C.W.
Num dia, Catarina estava desenhando sozinha na sala, quando foi surpreendida.
- Oi. Ah, desculpe, não te vi aqui. 
 Ela ficou perplexa. Era o garoto bonito que estudava na turma do lado!
- Tudo bem. - conseguiu dizer. - Eu não me importo.
- Como é seu nome? - ele perguntou.
- Catarina. E o seu?
- George. Prazer em te conhecer. - ele sorriu, puxando uma cadeira. - Ei, esses desenhos são seus?
- Ah...- ela hesitou por um momento. Será que eram bons o suficiente? - Sim. 
 Ele ficou boquiaberto.
- São incríveis! Catarina, você desenha muito bem! - exclamou.
Ela corou. 
- Que nada. São normais.
 - Olhe os meus. - George colocou uma pilha de folhas na mesa. - É para um trabalho do meu curso, acho que vou começar a vir aqui... Você me ajudaria?
- Claro. - Catarina sorriu.
E assim foi. Todos os dias, depois da aula eles se encontravam ali. Catarina começou a ter sentimentos fortes por ele. Estava quase tendo certeza que estava apaixonada, quando descobriu que nada aconteceria entre eles.
- George! - entra uma garota na sala e o abraça. - Ainda trabalhando nisso?
- É, sim...
- Quem é ela? - a menina perguntou, dando um olhar que Catarina considerou venenoso.
- Ela é a Catarina, está me ajudando no trabalho. Ca, essa é Candy Wood, minha namorada.
O coração de Catarina se despedaçou ao ouvir a palavra "namorado". Aí, ficou no fundo do poço. Maldição! Quando ela encontrava alguém legal na qual vale a pena, dá nisso. Injustiça.
A partir daí, Candy começou a frequentar a sala de artes com eles, mas seus desenhos eram horríveis. E então, Catarina decidiu parar de ir. Só que cometeu um grande deslize ao deixar seus desenhos lá...
Ela faltou exatos três dias de aula por ter ficado doente. E, justo no dia que foi, começou a confusão.
Havia um concurso de artes naquele dia, onde os alunos produziram as obras e apresentariam para a escola inteira. George convenceu Catarina a participar. Porém, quando ela chegou na sala de artes para pegar seus desenhos... Eles não estavam mais lá.
Ela começou a ficar desesperada e chorou. Seus desenhos, seus sentimentos, seu talento... Sua vida.
De repente, George entra na sala com cara de quem viu um fantasma.
- Ca, você precisa vir comigo! - Ele a pegou pela mão e a puxou, o que fez seu coração acelerar.
Chegando no auditório, onde estavam acontecendo as exposições das obras, Catarina ferveu de raiva e alívio ao mesmo tempo. Sim, seus desenhos estavam lá. E sim, estavam sendo apresentados por Candy Wood.
Eles correram até o palco, onde ela estava. Por impulso, Catarina gritou:
- Esses desenhos são meus!
- Candy... - George estava pasmo.
Candy riu.
- O quê? Não está vendo minhas iniciais, C.W.? Candy Wood, querida.
- Catarina Williams. - ela falou.
- Ops, parece que temos um equívoco. - a professora disse.
- Deixe-a provar que é dela. - Candy cruzou os braços e ergueu o queixo.
- Me dê um lápis e um papel, vamos ver quem faz melhor. - Catarina disse, pois sabia que Candy era péssima em desenhos e com certeza conseguiria provar que as obras eram delas.
Candy ficou branca. Enquanto todos gritavam em nome de Catarina, George fez algo que a surpreendeu.
- Vamos lá. Você consegue.
- O quê, George? Apoiando ela?
- Você é uma mentirosa. Isso não é justo. - ele disse.
Candy começou a chorar, pois não conseguia de jeito nenhum desenhar bem. No final, ela saiu do palco e Catarina ergueu seu desenho, sendo aplaudida por todos. Era a melhor sensação que ela já havia experimentado: ganhar mérito pelo seu talento.
E aí, as coisas só melhoraram. Ela ganhou mais reconhecimento, George terminou com Candy, resultando que ele e Catarina estavam bem mais próximos. Cada vez mais demonstrava gostar mais dela, e certo dia veio a confirmação.
- Ca, tenho uma surpresa! - disse ele, quando ela chegou na sala de artes.
- O que é? - ela perguntou, curiosa.
George fez um mistério e revelou um desenho de duas pessoas pintando um quadro juntas, com as mãos entrelaçadas.
- Que lindo! Mas... Quem são?
Ele se aproximou.
- Somos nós.
Eles se olharam por uns segundos, até ele a beijar. Catarina se sentiu leve como uma pluma. E sim, estava cada vez mais apaixonada por ele.
No final, ficaram juntos, desenhando mais e mais e mostrando seus talentos ao mundo. Juntos, tinham tudo para fazer sucesso e, principalmente, mostrar a arte do amor para todos que tivessem dispostos a ver... E sentir.

***Conto feito por mim. Sem cópias!***

Tentei deixá-lo menor porque no meu caderno deu 4 páginas huhaua. Ontem eu estava inspirada (bloqueio criativo foi embora \o/) e fiz mais um texto, que posto aqui depois.
Espero que tenham gostado!

Posted by: Lau

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Professores



(Snape ♥♥) 

(Texto especial para o dia do professor) 

Hoje é um dia especial, dia de uma das maiores profissões: a do professor.
Ser professor é criar uma base para o nosso futuro profissional, é amar os alunos e sempre fazer o melhor por eles. É responsabilidade, aprendizado e amor. 
Admiro muito todos os professores por sua paciência, sua dedicação para buscar sempre o melhor e sua persistência. 
Quero deixar meu muito obrigada a todos os professores que já fui aluna e parabenizar os demais. 
Parabéns a todos por exercer uma profissão tão bonita e importante! 


Posted by: Lau


quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Confiar


Oi gente! Tudo bem? Então, vocês viram que o blog está com um visual diferente, bem mais organizado e bonitinho (espero que vocês tenham gostado). Sei que ultimamente não ando postando muitos textos (e eu tenho um mooonte para digitar), mas estava ocupada arrumando o layout do blog. Ah, e só avisando que estou planejando uma programação especial para o mês de novembro (um ano de lançamento de "O estilo da amizade" o/) e que vocês terão várias surpresas para comemorar esse mês especial :D. Ok, vamos ao texto agora. 

Muitas vezes, somos decepcionados pelas pessoas que menos esperamos, as que mais adoramos e confiamos. Porquê?
Creio que a confiança é a base de tudo. Quando decidimos confiar numa pessoa, estamos entregando parte de nós para ela. Isso é ótimo, só que ás vezes escolhemos as pessoas erradas. 
Confiar nos outros é muito relativo. Eu sou muito, muito desconfiada, por isso, as pessoas que eu realmente confio são poucas. Outra coisa que me ajuda nisso: a intuição. Sou muito intuitiva, sempre sei quando devo ou não contar algo que dependa da confiança. 
Enfim, o meu conselho é: não confie em qualquer um, mas também não desconfie tanto dos outros. Para saber em quem confiar, pense a analise: as pessoas que confiam em você são as que devem ter sua confiança.

Vale o conselho. :)

Posted by: Lau

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Post especial: Frases




Oi gente! Hoje resolvi reunir as minhas frases (as que eu mais gosto, que eu mesma fiz) para mostrar pra vocês. Espero que gostem e se inspirem! 

"Sempre saiba a perder com esperança de um dia chegar lá e ganhar com humildade, sabendo que um dia já perdeu."
(Retirado do texto Derrotas)

"Nós todos temos defeitos e qualidades, e buscar a perfeição é uma verdadeira perda de tempo."
(Retirado do texto Perfeccionismo)

"Não se acostume muito, nada na vida é estável. As pessoas também mudam, basta nos adaptarmos com isso."
(Retirado do texto Mudanças)

"Quando pararmos de enxergar só defeitos, veremos que as qualidades são muitas. Então, o que está esperando?"
(Retirado do texto Aparência)

"Amigos são nossos tesouros, que devemos guardar com muito carinho e cuidado."
(Retirado do texto Amizade)

"Você pode ter um sonho inacreditável, que todos duvidem que um dia você vai alcançar, e é por isso mesmo que nunca deve desistir."
(Retirado do texto Sonhos (2)

"O caminho pode ser longo. O sonho, impossível. Pode parecer, mas você nunca terá certeza se não tentar."
(Retirado do texto Sonhos (2) 

"Não existe uma paixão que não tenha um pouco de sofrimento, ou um obstáculo."
(Retirado do texto Amor)

"Para um amor verdadeiro, altura, idade e distância são apenas números. Obstáculos não são nada. Isso sim, se chama amar."
(Retirado do texto Amor)

"Acontece que a vida não é um conto de fadas, que sempre tem um final feliz. Coisas ruins acontecem, sim. E, vendo pelo lado positivo, elas nos ajudam a evoluir."
(Retirado do texto Realidade)

"Continue vivendo e fazendo o bem, encontrando a felicidade nos outros e também em nós mesmos. Pois, os momentos felizes devem ser contagiantes e, acima de tudo, verdadeiros."
(Retirado do texto Felicidade

"Sonhos são nossas vidas resumidas em nossos maiores desejos." 
(Retirado do texto Sonhos)

"Ás vezes, a vida não precisa apenas de planos. Ela pode nos surpreender com reencontros inesperados, coisas inesperadas, que no futuro serão ótimas lembranças." 
(Retirado do texto O reecontro

"Amizade é,
Um exemplo de união 
Que deve ficar para sempre
Em nosso coração."
(Retirado do poema Amizade)

Essas são algumas frases retiradas de textos que estão aqui no blog. Para finalizar, algumas frases extras que criei há pouco tempo:

"As dificuldades só se tornam negativas sobre nós quando não sabemos lidar com elas."

"Sempre que você dizer que não quer sofrer, lembre-se: Sofrer é uma consequência, não uma opção." 

É isso, tenho várias frases, mas selecionei as que eu mais gosto, e espero que vocês tenham gostado também. E você, qual gostou mais? 

***Todas essas frases foram criadas por mim. Sem plágio!***

Em breve mais textos e uma prévia do book trailer \o/ 

Beijos ♥ 

Posted by: Lau


segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Realidade


Por muito tempo, passei apenas sonhando e imaginando, esperando o momento certo, sem ir atrás. 
Com o tempo, vamos aprendendo a diferenciar desejos e sonhos, realidade com o impossível. Demorou, mas aprendi. 
Acontece que a vida não é um conto de fadas que sempre tem um final feliz. Coisas ruins acontecem, sim. E, vendo pelo lado positivo, elas nos ajudam a evoluir.
Pare de esperar pelo seu "príncipe encantado". Fantasiamos a ideia de um amor perfeito, mas na realidade nada e ninguém é perfeito. Todos temos defeitos, e, novamente vendo pelo lado bom: eles formam a nossa personalidade. No fim, são essenciais. 
Enfim, aos poucos vamos aprendendo a não criar altas expectativas., pois nem sempre acontece como nós queremos, e sim como é o nosso destino. Desse jeito, aprendemos a ir atrás do que queremos, pois a única coisa que cai do céu é chuva. E, o principal: vamos entendendo que nossas vidas não são perfeitas, que o amor machuca e não é como nas histórias de "felizes para sempre". Porém, mesmo assim seguimos em frente. Vamos criando equilíbrio, encarando a realidade e aceitando os fatos, mas sem deixar de fantasiar e sonhar. 

Posted by: Lau

sábado, 23 de agosto de 2014

Divulgando

Oi gente! Hoje trouxe mais um divulgando, dessa vez é de uma página do face. Se você quer trocar divulgação com o meu blog, só entrar em contato comigo pela página do meu blog (link abaixo).

Então, curtam:




E aproveitando para divulgar a página do face daqui do blog:




Por hoje são esses, em breve trago um texto novo :D

Posted by: Lau

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Teste • Qual saga que você deveria ler?


Oi gente!! Hoje trouxe um post diferente: um teste. Fiz ele para postar no blog da Always Livros (http://alwayslivrospage.blogspot.com.br/, visitem) e resolvi postar aqui também. Espero que gostem =) 

Então, esse teste pode te ajudar a decidir qual sua saga preferida (se você gosta de várias) ou qual você deveria ler (se está sem ideia de quais livros comprar ou quer começar a ler). Enfim, vamos lá!

1) Seu gênero favorito de livros:
a) Romance
b) Distopias 
c) Ficção

2) Um escritor(a) que gostaria muito de conhecer:
a) Paula Pimenta 
b) Suzanne Collins
c) J.K. Rowling

3) Uma qualidade sua:
a) Amorosa (o)
b) Determinado (a)
c) Criativo (a) 

4) Para você, um livro bom tem que ter:
a) Bastante drama e partes românticas.
b) Ação!
c) Magia e aventura.

5) Se pudesse ser um personagem, qual seria?
a) Bella ou Edward, de Crepúsculo.
b) Katniss ou Peeta, de Jogos Vorazes.
c) Hermione ou Harry, de Harry Potter. 

Resultado: 

Se você marcou mais A:
Romance
Provavelmente é uma pessoa romântica e gosta desse tipo de livro.
Sagas recomendadas: Saga do tigre, Crepúsculo, Fazendo meu filme, 50 tons de cinza.

Se você marcou mais B: 
Ação
Gosta de livros que tenham visões futurísticas e bastante ação. 
Sagas recomendadas: Jogos Vorazes, Divergente, A seleção, Feios. 

Se você marcou mais C:
Aventura
Adora livros que contenham bastante aventura, magia e mitologia. 
Sagas recomendadas: Harry Potter, Percy Jackson, O senhor dos anéis, As Crônicas de Gelo e Fogo, As crônicas de Nárnia. 

E aí, o que deu para vocês? Quais sagas vocês gostam? Comentem :D

Kisses :* 

Posted by: Lau